Pensatempos

Orlando Figueiredo


1 Comentário

Patria

Spot publicitário do salão erótico de Barcelona 2016 – http://saloneroticodebarcelona.com

Vivimos en un país asquerosamente hipócrita, pero algunos no nos rendimos


Deixe um comentário

As touradas da tourada, sinais de um fascismo dissimulado

Ontem, a propósito da tourada que a arrogância de uma elite, fútil e tacanhamente catolicizada, que acredita que os animais foram postos no mundo para servirem o homem, promoveu em Viana, tivemos mais um testemunho da ditadura fascistas em que o país se encontra mergulhado. Num país fascista o estado policial faz-se sentir com demasiada frequência; num país fascista, as forças de segurança servem os orwellianos porcos que triunfaram; num país fascista as leis não são iguais para todos; num país fascista a comunicação social está controlada pelas forças no poder; num país fascista quem tem armas pode exercer o poder através da opressão e das ameaças; num país fascista as pessoas que se manifestam contra os interesses instalados são oprimidas e caladas pela força e pela violência.15604997_0OdQN

Ontem tivemos tudo isto em Viana do Castelo. A elite buçal e tacanha, numa atitude provocatória e insultuosa, organiza touradas num município que as proibiu. Para mostrar o falso sucesso dessa organização, carrega todos os animais – os da arena e os das bancadas – em camionetas e transporta-os das zonas marialvas para Viana. As tias, buçais e tacanhas, gritam histéricas, frente às câmaras de televisão, que isto é uma tradição e que já os pais delas as levavam às touradas e que agora, numa clara violação dos direitos da criança, elas levam os filhos e que é tudo muito giro. Uma caricatura masculina diz que desde o século XVII que há touradas em Viana e que é bom que continuem. É a inteligência possível destas pobres criaturas de razão e coração castrados pelo ego. Mas não é disso que vou falar. Não vou rebater os argumentos (buçais e tacanhos) da tradição, nem os outros (estúpidos e ignorantes) de que o touro não sofre, que os animais são diferentes de nós… et cetera, et cetera, et cetera. Ainda menos vou discutira inteligência subjacente a esta barbárie que querem disfarçar de cultura. Sobre isto já Eduardo del Río se pronunciou de forma simples e completa: “Se houvesse um toureiro culto… não seria toureiro”.

Hoje quero escrever sobre os sinais do fascismo  sublinhando como esta elite, bem colocada junto dos ditadores que governam Portugal, a elite buçal e tacanha que conseguiu que as forças de segurança encurralassem os manifestantes, os afastassem da praça de touros, violassem as leis e ilegalmente impor a sua vontade aos manifestantes de Viana.

À semelhança do que acontece nos países fascistas, o estado policial fez-se sentir em Viana extravasando, largamente, as competências que a democracia lhe incumbe; as forças de segurança estiveram ao serviço dos porcos da elite buçal e tacanha; as forças de segurança não cumpriram as leis (a lei refere uma distância de 100 m e a polícia colocou os manifestantes a mais de 300 m); a comunicação, rendida às forças da elite buçal e tacanha, apenas mostrou parte dos acontecimentos, as pessoas foram oprimidas e os jornalistas ameaçados pela polícia (ver foto). Se estamos à espera de mais sinais de que o fascismo está de volta a Portugal, não precisamos ir longe: basta olhar para o vergonhoso, vil e oportunista comportamento dos membros do governo, dos deputados da Assembleia da República e do Presidente da República no ataque consertado ao estado social e às classes mais desfavorecidas.

O fascismo instalado não ataca somente as pessoas, ataca tudo e todos e não respeita o direito a uma vida boa de pessoas, animais ou natureza. O fascismo instalado apenas respeita o direito à Boa Vida da elite buçal e tacanha que serve. Não nos esqueçamos que, no que diz respeito às touradas, quatro dos cinco partidos com assento parlamentar mostraram-se favoráveis à sua continuação.

A grande questão é: como repor a democracia em Portugal, antes que seja tarde demais?


Deixe um comentário

Consumo de leite – a polémica instalada

Na passada sexta-feira, no seguimento da publicação de um comunicado do PAN a criticar a posição da Direção Geral de Saúde que apelidou o leite de um super alimento, fui entrevistado pela Antena 1. Na peça, Pedro Graça, Diretor do Programa Nacional para uma Alimentação Saudável, refere razões de defesa dos direitos dos animais e ambientais para sustentar a posição do PAN. O que Pedro Graça parece não ter percebido é que os argumentos apresentados no comunicado não estão relacionados com as questões que refere, mas dizem respeito aos problemas de saúde associados ao consumo de leite e seus derivados, que uma boa parte da comunidade científica insiste em ignorar.

Apenas a título informativo deixo uma ligação para a página do PCRM – Physician Committee for Responsible Medicine, initulada Health Concerns about Dairy Products.

 A peça é da responsabilidade da jornalista Lurdes Dias.


Deixe um comentário

A Declaração de Cambridge sobre a Consciência*

A Declaração de Cambridge sobre a Consciência* foi proclamada no dia 7 de Julho de 2012 na Universidade de Cambridge, por um grupo de cientistas provenientes de diversas áreas do saber. Na nota final deste documento encontram-se ligações para o sítio da conferência e os documentos originais em inglês. Esta tradução, assim como quaisquer erros ou falhas que possa conter, é da minha exclusiva responsabilidade.


bib-bottle-penNo dia de 7 de Julho de 2012, um proeminente grupo de neurocientistas cognitivos, neurofarmacologistas, neurofisiologistas e neurocientistas computacionais reuniram-se na Universidade de Cambridgre para reavaliar os substratos neurobiológicos da experiência da consciência e comportamentos relacionados, em animais humanos e não-humanos. Ainda que a investigação comparativa neste domínio é naturalmente dificultada pela incapacidade de animais não-humanos, e frequentemente humanos, para clara e prontamente comunicarem acerca dos seus estados internos, as seguintes observações podem ser feitas inequivocamente:

  • O campo da investigação sobre a Consciência está a evoluir rapidamente. Novas técnicas e estratégias de investigação para animais humanos e não-humanos foram desenvolvidas em número abundante. Consequentemente, um maior número de dados é disponibilizado com mais facilidade, o que obriga a uma reavaliação periódica de preconceções que persistem neste campo. Estudos de animais não-humanos mostraram circuitos cerebrais homólogos correlacionados com a experiência e a perceção da consciência podem ser seletivamente acedidas e manipuladas para compreender se são de facto necessários à referida experiência. Além disso, novas técnicas não invasivas estão já disponíveis para mapear os correlativos da consciência nos humanos.
  • Os substratos neuronais não parecem limitar-se às estruturas corticais. De facto, redes neuronais subcorticais que são estimuladas durante a vivência de estados afetivos em humanos, são também criticamente importantes enquanto geradoras de comportamentos emocionais em animais. A estimulação artificial das mesmas regiões do cérebro gera comportamentos e estados sentimentais correspondentes em ambos, animais humanos e não-humanos. Sempre que suscitamos comportamentos emocionais instintivos em cérebros de animais não-humanos, muitos dos comportamentos subsequentes são consistentes com a esperiência de estados sentimentais, incluindo os estados internos compensatórios ou punitivos. Os sistemas associados ao afeto estão concentrados nas regiões subcorticais onde abundam as homologias neuronais. Ademais, os circuitos neuronais que suportam estados comportamentais/eletrofisiológicos de atenção, sono e tomada de decisão, parecem ter surgido tão cedo, no processo evolutivo, quanto a ramificação dos invertebrados, sendo evidente em insetos e moluscos cefalópodes (e.g.: polvo).
  • As aves parecem oferecer de forma surpreendente, através do seu comportamento, da sua neurofisiologia, e da sua neuroanatomia, um processo de evolução paralela da consciência. Evidências de níveis de consciência próximo dos humanos têm sido, da forma mais dramática, observadas em papagaios cinzentos africanos. As redes e microcircuitos emocionais e cognitivos de aves e mamíferos parecem ser bastante mais homólogos do que previamente se pensou. Além disso, certas espécies de aves, como foi demonstrado nos padrões neurofisiológicos dos mandarins, exibem padrões neuronais de sono idênticos aos dos mamíferos, incluindo o sono REM, que se pensava exigirem o neocórtex dos mamíferos. As pegas rabilongas, em particular, exibiram impressionantes similaridades com humanos, grandes símios, golfinhos e elefantes em estudos de auto reconhecimento da sua imagem refletida num espelho.
  • Nos humanos, o efeito de certos alucinogénios parece estar associado com uma disrupção no processamento cortical de feedforward e feedback. Intervenções farmacológicas em animais não-humanos com compostos conhecidos por afetarem o comportamento humano, podem conduzir a perturbações similares no comportamento dos animais não-humanos. Nos humanos, existem evidências que sugerem que a consciência de algo, tal como na consciência visual, está correlacionada com a atividade cortical, o que não exclui possíveis contributos do processamento subcortical ou cortical primitivo. Evidências de que sentimentos de animais humanos e não-humanos emergem de redes cerebrais subcorticais homólogas fornece evidências de qualia fundamentais evolutivamente partilhados.
Declaramos o seguinte: “A ausência de neocórtex não parece excluir um organismo de experienciar estados afetivos. Evidências convergentes indicam que animais não-humanos possuem os substratos neuroanatómicos, neuroquímicos e neurofisiológicos de estados de consciência em linha com a capacidade de exibir comportamentos intencionais. Consequentemente, o peso das evidências indica que os humanos não são únicos na posse dos substratos neurológicos que geram consciência. Animais não-humanos, abarcando todos os mamíferos e aves, e muitas outras criaturas, incluindo os polvos, também possuem estes substratos neurológicos”.

* A Declaração de Cambridge sobre a Consciência foi escrita por Philip Low e editada por Jaak Panksepp, Diana Reiss, David Edelman, Bruno Van Swinderen, Philip Low and Christof Koch. A declaração foi publicamente proclamada em Cambridge, Reino Unido, no dia 7 de Julho de 2012, na Conferência de Homenagem a Francis Crick sobre a Consciência em Animais Humanos e não-Humanos, no Churchil College, Universidade de Londres, por Low, Edelman e Koch. A declaração foi assinada pelos participantes na conferência nessa mesma tarde, na presença de Stephen Hawking, na Sla Balfour no Hotel du Vin Cambridge (Reino Unido). A cerimónia de assinatura foi assinalada pelo CBS 60 Minutes.


Créditos
Foto retirada de fcmconference.org
Original da declaração: mconference.org/img/CambridgeDeclarationOnConsciousness.pdf