Pensatempos

Orlando Figueiredo


Deixe um comentário

A Rapariga Dinamarquesa

Lili Elbe – Elbe, como o rio que deixa da República Checa e atravessa a Alemanha para se afogar no Mar do Norte – é um ícone do movimento de emancipação transexual. Lili foi o primeiro transexual masculino a submeter-se, na Europa dos anos 1920, a uma operação de mudança de sexo. Não encontrando forças para vencer as complicações resultantes da segunda operação, Lili Elbe sucumbiu ao sonho que não podia deixar de viver.

Com quatro nomeações para Óscares em 2016 (entre as quais a de melhor ator principal: Eddie Redmayne e melhor atriz secundária: Alicia Vikander) o filme The Danish Girl ou A Rapariga Dinamarquesa, baseado no romance de David Ebershoff, conta a história de como Einar Wegener se transforma em Lili Elbe.

O filme é delicioso.

A fotografia, a beleza dos diálogos, as interpretações, são elementos primordiais na composição de uma atmosfera que deixa transparecer uma felicidade suave, sóbria, naturalista, todavia penetrante, desta bela história de amor.

Mas tudo isto seria nada, sem a capacidade sedutora de Eddie Redmayne. Lili e Einar são capazes de despertar paixões simultaneamente suaves e sóbrias, agâmicas e sexuadas, platónicas e libidinosas.

São duas horas de amor eterno, porque, já o sabemos, enquanto dura, o amor é para sempre.