Pensatempos

Orlando Figueiredo

Há alternativa…

5 comentários

O Chipre e a Islândia são duas pequenas economias insulares profundamente dependentes do turismo e da pesca – a sardinha, no primeiro caso, e o bacalhau (a par de algumas baleias), no segundo. Ah, ambas as ilhas estiveram sujeitas a bolhas de setores financeiros diversos e a crises financeiras severas. Uma das ilhas reagiu tomando notas das dívidas e colocando na prisão os banqueiros corruptos. A outra (depois de uma heroica luta contra a Troika), desalojando pessoas das suas casas e pagando a bancos (estrangeiros) e a instituições financeiras. Hmmm…

cod

Tradução do artigo There is an alternative… de Edward Fullbrook (merijnknibbe), publicado em Real-World Economics Review Blog a 26/02/2016.

 

Autor: Orlando Figueiredo

| Professor | Investigador | Ecologista | Ativista | Aprendente do mundo |

5 thoughts on “Há alternativa…

  1. Vim aqui ter por via do blog «Real World Economics»… Como sou «oportunista», aproveito e vou partilhar com um comentário… «Por vezes invoca-se a Islândia para contrastar com a situação de Portugal. Não me parece muito adequado. Já esta comparação com a situação de Chipre parece-me perfeitamente adequada e demonstrativa de que há mesmo alternativas»… Obrigado pelo trabalho da tradução!

    Liked by 1 person

    • Olá Fonseca-Statter. Obrigado pelo seu comentário. Por que razão considera que Portugal e a Islândia não são comparáveis, mas que essa comparação já é possível fazer com o Chipre?
      Parece-me que, quer do ponto de vista geopolítico e geográfico o Chipre parece-se mais com Portugal que com a Islândia. Ambos países periféricos do sul da Europa, economias precárias e endividadas e integrados na zona euro, o que limita a soberania monetária. Quais as características do Chipre que permitem compará-lo com a Islândia fazer a comparação com a Islândia e quais não permitem fazer essa comparação?

      Gostar

      • Olá Orlando Figueiredo,
        Básicamente por causa da dimensão (geográfica e demográfica)… Por um lado o grande problema da economia portuguesa é o «défice comercial» (importamos muito mais do que exportamos, algo que já acontece há demasiado tempo…). E, por outro lado, é mais fácil alcançar consensos numa sociedade (quase tribal) de 300.000 habitantes do que numa sociedade de 10.000.000 (e com uma enorme diáspora que também pesa nas decisões que cada pequeno grupo toma em Portugal).
        Por outro lado Chipre funcionou como refúgio fiscal (de oligarcas russos mas também de expatriados britânicos) e a Islândia na altura da especulação «pôs-se a jeito» (ou melhor aqueles que estavam no governo) para que a Islândia funcionasse como «sucursal» da City of London.
        Claro que isto são apenas algumas notas avulsas!

        Liked by 1 person

  2. Após algumas discussões, no âmbito da DS – Democracia Social, sobre a saída da zona euro ou mesmo da UE e falando-se da Islândia como exemplo a ideia que as pessoas têm é que por ser um pais com pouco mais de 400 mil habitantes não tem similitude com portugal, erro, uma economia é uma economia independentemente da ordem de grandeza territorial, o que difere é a capacidade de um povo que quis tomar as rédeas da sua soberania enquanto outros, nomeadamente nós, continuamos agarrados a esta Europa que nos asfixia com politicas recessivas.

    Liked by 1 person

    • Olá António Costa,
      Obrigado pelo seu contributo.
      De facto, continuo sem perceber o porquê da não validade de comparação Portugal – Islândia.
      Inteiramente de acordo que 400 000 islandeses é mais próximo de 1 200 000 cipriotas que dos 11 000 000 de portugueses. Essa é uma diferença importante. Contudo, o denominador comum entre Portugal e o Chipre é precisamente “as políticas recessivas impostas pela Europa”. E a situação nos dois países é idêntica por essa razão. Em relação ao número de habitantes, julgo que não é assim tão importante. Se Portugal tivesse tomado medidas idênticas à da Islândia, não vejo por que não funcionariam, desde que implementadas com rigor e transparência.
      Talvez seja mais fácil ser-se transparente na Islândia, mas isso é uma escolha ética que todos temos de ajuizar.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s