Pensatempos

Orlando Figueiredo


1 Comentário

Feliz Natal

Parece que é época de novo, não é? Aqui fica.

Feliz Natal

Feliz Navidad – Merry Christmas – Joyeux Nöel – Zalig Kerstfeest


Deixe um comentário

Por uma política educativa racional

O discurso da estabilidade nas políticas educativas é recorrente sempre que se muda de governo. Lá vem outro governo e tudo muda. E sim! Tem razão, quem assim contesta! De facto, na história da democracia portuguesa, esta situação tem sido uma constante. A alternância de governos entre laranjas (com variadas tonalidades de azule frequentes toques dourados) e rosas (agora um pouco mais avermelhados) sempre conduziu ao desenvolvimento de políticas educativas antagónicas, o que dificulta o estabelecimento de uma política consensual no campo educativo.

É claro que ambos os lados têm responsabilidades neste âmbito – tanto quanto eu saiba, nunca houve qualquer tentativa, por parte de qualquer partido político, de promover o diálogo e as negociações neste domínio da governação – o mesmo não se pode dizer de outros domínios governativos, como, por exemplo, o acordo com a troika ou a implementação de uma austeridade generalizada aos, já economicamente fragilizados, cidadãos portugueses. De facto, os únicos domínios da governação em que o PS e o PSD têm mostrado capacidade negocial são os da economia, na sua versão mais agressiva e desrespeitadora dos direitos de quem, com ou sem voz, os elege – naturalmente, que esta situação deixa muitos, tal como eu, com pouco espaço de manobra para apoiar os programas do PS, onde encontro, como é o caso da educação, um maior número de afinidades e reflexos (talvez as coisas estejam agora a mudar). Continuar a ler